Friday, 23 October 2009

Porto Côvo

"Roendo uma laranja na falésia
Olhando um mundo azul à minha frente
Ouvindo um rouxinol na redondeza
No calmo improviso do poente

Em baixo fogos trémulos nas tendas
Ao largo as águas brilham como pratas
E a briza vai contando velhas lendas
De portos e baías de piratas


Havia um pessegueiro na ilha
Plantado por um vizir de odemira
Que dizem por amor se matou novo
Aqui no lugar de porto côvo

A lua já desceu sobre esta paz
E reina sobre todo este luzeiro
À volta toda a vida se compraz
Enquanto um sargo assa no braseiro

Ao longe a cidadela dum navio
Acende-se no mar como um desejo
Por trás de mim o bafo do estio
Devolve-me à lembrança o alentejo


Roendo uma laranja na falésia
Olhando à minha frente o azul escuro
Podia ser um peixe na maré
Nadando sem passado nem futuro"

Carlos Tê/ Rui Veloso

4 comments:

stephanie said...

Lindas palavras de Carlos Tê para ilustrar tão belas imagens! Este blog está cada vez melhor!

Pinkye said...

Lovely words/great pic!

Joca said...

Isto é uma grande ilustração de um lindo poema1

Ana said...

Esta praia é uma maravilha da costa alentejana! Grande perspectiva de um grande olhar!

Post a Comment